• Maddu Martins

Uso e consumo das sacolas plásticas e o que temos a ver com isso

Atualizado: 30 de Abr de 2019


O que é responsabilidade socioambiental? Vamos juntos entender melhor como podemos aplicar em nosso cotidiano seu real significado?


Responsabilidade socioambiental, essa palavra comprida, tem um significado muito simples: ela está ligada a ações e políticas que respeitam o meio ambiente e tenham como principal objetivo a sustentabilidade. O “socioambiental” é justamente para dizer que todos (governos, empresas e cada indivíduo,) são responsáveis pela preservação ambiental.

De forma geral, quando o assunto é responsabilidade socioambiental, temos em mente questões ambientais complexas que precisam ser resolvidas de imediato. Logo de cara, pensamos que somente grandes ações conseguiriam trazer soluções para esses problemas. Entretanto, se trouxermos isso para o nosso dia a dia, percebemos o quanto uma ação individual ou uma mudança de hábitos consegue ter impacto positivo no meio em que vivemos.


Vamos analisar mais de perto apenas um dos muitos problemas ambientais que enfrentamos como sociedade atualmente: o uso e consumo de sacolas plásticas. Esse é um problema de grande impacto, pois, exige uma mudança expressiva e contínua de hábitos de consumo. Para se ter uma ideia, uma rápida pesquisa nos mostra que no mundo todo são consumidas anualmente, entre 500 bilhões e 1 trilhão de sacolas plásticas. Aqui no Brasil, cerca de 1,5 milhão de sacolinhas são distribuídas por hora. Se você achou muito, imagine a natureza!


Quando falamos de sacolas plásticas, esse objeto tão prático e gratuito, é importante pensar que seu alto custo ambiental vem desde a sua produção: com o consumo de recursos não-renováveis (petróleo e gás natural), a utilização de água e energia e a liberação de gases tóxicos e efluentes. Mas, o foco da discussão é o destino final dessas sacolas. Muitas são descartadas de forma incorreta, aumentando a poluição, entupindo bueiros ou indo parar em matas, rios e oceanos e consequentemente, sendo ingeridas por animais que morrem sufocados ou presos nelas.


#enxergandocompalavras: tartaruga marinha confunde sacola plástica jogada ao mar com água-viva, indo em direção a ela para se alimentar.


A maioria das pessoas sabem que as sacolas plásticas são prejudiciais ao meio ambiente. Então, como faremos para provocar alguma mudança em um cenário onde quase tudo feito é de material plástico? O primeiro passo seria colocar em prática os 3R’s: recusar, reduzir e reutilizar, sem esquecer de trazer para o debate aspectos sociais, econômicos e ambientais.



#enxergandocomplavras: em tons de verde claro e escuro, símbolo que representa os 3R's. Ao lado as palavras que traduzem o seu significado (recusar, reduzir e reutilizar).


No aspecto social, por exemplo, existe uma inversão de valores quando falamos em recusar uma sacola plástica. Essa atitude, muitas vezes causa um desconforto tanto para o comerciante quanto para o consumidor e essa é uma das adversidades a serem superadas, tendo como exemplo outros países onde, o cliente que esquecer sua sacola reutilizável, caso queira uma sacola plástica, deve pagar por ela. Mas, para que isso aconteça, precisamos sair da nossa zona de conforto.


Em âmbito econômico, o ponto principal são as escolhas que fazemos, quanto à nossa forma de consumo e aos produtos que escolhemos levar para a nossa casa. Partindo do princípio de que as empresas sempre vão querer gastar menos possível para produzir suas mercadorias e lucrarem mais com isso, nem sempre conseguimos ter em mãos produtos de boa qualidade. Desse modo, nossas escolhas geralmente são baseadas em baixo custo e acabamos nos esquecendo de olhar o que está por trás daquela mercadoria. Quem são os fabricantes? Quais são os insumos químicos na produção dessa sacola plástica de baixa qualidade?


Devemos ter em mente essa questão que acaba dificultando a reciclagem desse material e criando um outro problema muito maior. Sabemos que não são todas as pessoas que possuem essa oportunidade de escolha, mas a maioria de nós sim! Temos o poder de escolher, pesquisar, opinar e moldar nossos pensamentos.

A partir disso, é necessário ficarmos atentos a iniciativas que nos façam repensar nossos hábitos de consumo, começando pelas próprias sacolinhas plásticas. Em vista disso, algumas cidades, já contam com projetos de lei que promovem essa mudança, como é o caso do Rio de Janeiro, onde apenas as sacolas biodegradáveis e reutilizáveis podem ser distribuídas no comércio.


#enxergandocompalavras: atendente de caixa em um supermercado utiliza sacolas plásticas para ensacar as compras.


Poços de Caldas também está caminhando nesse sentido. Na semana passada o Coletivo Paralelas compareceu à uma audiência pública realizada na Câmara Municipal. Evento esse que contou com a presença do Secretário Municipal de Planejamento (Tiago Cavelagna), da Assessora Jurídica do Procon (Dra. Fernanda Soares), de professoras da PUC Minas e IF Sul de Minas (Maria Teresa e Marielle Rezende), além de vereadores, representantes de associações e cooperativas e um pequeno público de pessoas interessadas no assunto.


Essa audiência pública na Câmara Municipal, requerida pela vereadora Lígia Podestá trouxe o tema: “Sacolas plásticas: plásticos de um único uso e os problemas que acarretam ao meio ambiente”, e teve como finalidade, além do debate acerca da poluição e conscientização do uso de sacolas e plásticos em geral, apresentar o projeto de lei n. 65/2018, que proíbe a distribuição gratuita ou venda de sacolas plásticas descartáveis.


A proposta, ainda está em análise pelo Legislativo e define que estabelecimentos comerciais estimulem o uso de sacolas reutilizáveis ou retornáveis. Um projeto semelhante a esse foi apresentado pelo então vereador Tiago Cavelagna em 2009. Contudo, naquela época houve grande oposição dos comerciantes da cidade, fazendo com que não fosse adiante. Apesar disso, dez anos depois, o projeto de lei voltou a ser pauta e a discussão se tornou mais aprofundada, contando dessa vez com o apoio da associação comercial.


Como pudemos perceber, esse assunto não pode mais ser ignorado. Esperamos que o projeto saia do papel (com as devidas ressalvas), para a prática e que a responsabilidade socioambiental seja pauta constante para que a mudança real aconteça. Essa mudança deve começar na sua cidade, com você, no seu dia a dia.


Quer saber mais sobre o projeto de lei n. 65/2018 acerca do consumo e utilização das sacolas plásticas? Acesse o site da Câmara Municipal de Poços de Caldas e veja maiores informações.


Referências:


Ministério do Meio Ambiente - Responsabilidade Socioambiental produção e consumo sustentável


Câmara Municipal de Poços de Caldas - Uso de sacolas plásticas será tema de audiência pública


O Globo - Alerj aprova projetos de lei que proíbe sacolas plásticas nos supermercados



Maddu Martins é gestora ambiental e feminista. Acredita que a mobilização coletiva e o protagonismo individual são fundamentais para contribuir em pautas de interesse social. Seu mundo ideal é onde as pessoas valorizem menos bens de consumo e mais momentos incríveis. Adora ouvir simples histórias e não recusa café.

21 visualizações

© 2019 por Coletivo Paralelas. Poços de Caldas - MG.

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon